Panorama Histórico da Interpretação Bíblica

do Antigo Testamento até o Período dos Reformadores

  • Jéferson Marques da Silva
Palavras-chave: Reformadores, Método gramático- -histórico, Reforma Protestante

Resumo

A história da interpretação bíblica começa ainda no período do Antigo Testamento com os profetas e os antigos rabinos. Eles faziam a interpretação em suas épocas dos textos antigos tentando trazer à tona sentido original do autor dos textos Sagrados. Após o início da era cristã, os teólogos cristãos também procuraram dar a interpretação correta dos Escritos. A história demonstra que, logo nos primeiros séculos, os teólogos passaram a adotar o método de interpretação alegórico, método este que dominou a hermenêutica cristã até o início do século XVI, com a chegada dos movimentos reformistas. Os reformadores logo abandonaram o método alegórico de interpretação e se utilizaram, no geral, do método histórico-gramatical. Lutero, Calvino, Zwínglio, entre outros, deram imensa contribuição a este processo. O objetivo desse estudo é apresentar um panorama da história da interpretação desde o Antigo Testamento até os Reformadores, passando patrística e o período da escolástica. A metodologia empregada no desenvolvimento desse trabalho é a bibliográfica, tomando como base os escritos exegéticos desses autores, bem como também todo o material escrito atualmente por teólogos contemporâneos que visam fazer uma análise dos escritos desses autores e a sua importância na teologia como um todo. A conclusão a que chegamos é que a teologia cristã não seria a mesma sem a contribuição de tais reformadores e que o método gramático-histórico de interpretação, utilizado e defendido por eles, se mostrou muito mais eficaz no processo de interpretação bíblica.

Referências

BARRETT, Mattew. Teologia da Reforma. Editado por Mattew Barrett, texto originalmente escrito por Gerald Bray retirado de God Has Spoken: A History of Christian Though, 2014 p. 469-470. Tradução Francisco Nunes. Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil, 2007.

BASTOS, Márcio V. Breve história da escola de Antioquia e sua influência na hermenêutica da reforma protestante. Revista Ensaios Teológicos, v. 1, n. 1, jun/2015.

BÍBLIA de Estudos Genebra. 2.ed. São Paulo: Cultura Cristã, 2009.

CALVINO, João. A Instituição da Religião Cristã. São Paulo: UNESP, 2008. Vol. 1.

FERREIRA, Franklin; MYATT, Alan. Teologia Sistemática: uma análise histórica, bíblica, e apologética para o contexto atual. São Paulo: Vida Nova, 2007.

LOPES, Augustus N. A Bíblia e seus intérpretes: uma breve história da interpretação. 3.ed. São Paulo: Cultura Cristã, 2003.

LOPES, Augustus N. Lutero ainda fala: Um ensaio em história da interpretação bíblica. Citação feita no artigo publicado por Lopes, 1996 na revista teológica Fides Reformata 1/2 contida em Luther’s Works , vol. 26, ed. Jaroslav Pelikan e Walter A. Hansen (Saint Louis: Concordia Publishing House), Tradução de Lopes do inglês para o português. Fides Reformata, 1996.

LUTERO, Martinho. As 95 teses de Lutero. Wittemberg, 1517.

OBERMAN, Heiko. Luther: Man between God and the devil. Tradução de Eileen Walliser-Scharzbat. New York: Doubleday, 1992.

OLSON, Roger E. História da Teologia Cristã: 2000 anos de tradição e reformas. São Paulo: Vida, 2001.

SILVA, Moisés. Abordagens contemporâneas na interpretação bíblica. São Paulo: Fides Reformata 4/2.

VIRKLER, Henry A. Hermenêutica avançada: princípios e processos de interpretação bíblica. Tradução de Luiz Caruso. São Paulo: Vida, 2001.

WACHHOLZ, W. História e Teologia da Reforma. São Leopoldo: Sinodal, 2010.
Publicado
2019-09-19
Como Citar
Silva, J. M. da. (2019). Panorama Histórico da Interpretação Bíblica. VIA TEOLÓGICA, 20(39), 63-85. Recuperado de http://periodicos.fabapar.com.br/index.php/vt/article/view/115
Seção
Artigos