Temos a alegria de apresentar aos nossos leitores a edição de número 40 (volume 20) da Revista Via Teológica. Mais uma vez, oferecemos alguns textos de reflexão bíblica, teológica e prática. Nesta edição, 10 artigos e 1 resenha compõem o conteúdo da revista, com os quais os respectivos autores procuram contribuir com as suas pesquisas.
O primeiro artigo da Revista, intitulado “O gênero narrativo no Antigo Testamento: o caso de ʾeḇen hāʿēzer”, escrito pelos autores Rawderson Rangel, Antônio Renato Gusso e Rosângela Gonçalves, analisa de o gênero literário narrativo nas passagens bíblicas de 1Samuel 4 e 7, sobre no episódio da derrota e vitória do povo de Israel, fazendo a aplicação das características literárias do gênero narrativo.
O doutorando Diogo da Cunha Carvalho escreve sobre “Pode um cristão ter discípulos? Uma breve investigação sobre os limites da imitação do método discipular de Jesus nos dias atuais”. No artigo, o autor analisa diferentes modelos de discipulado que acabam promovendo relações de poder entre o discipulador e o discípulo. O artigo também busca investigar, na literatura antiga, se os apóstolos tiveram discípulos, como isso
se deu e por que desapareceu.
No terceiro artigo, o doutor Samuel Marques Campos e Bianca Rego Farias escrevem sobre “O desafio das igrejas evangélicas inclusivas: uma reflexão, à luz da teologia reformada, da teologia queer em uma Igreja Evangélica de Confissão Luterana da região metropolitana de Belém-PA”. Esse artigo visa fazer uma reflexão acerca da teologia queer à luz da perspectiva reformada, realizando um estudo em uma igreja inclusiva de Belém-PA.
O mestre Evandro R. Rojahn escreve sobre “História da Teologia do Reino de Deus – de Maquiavel à Rauschenbusch”. Muitos filósofos e teólogos tentaram definir o Reino de Deus como conceito, mas isso acabou reduzindo sua teologia e suprimindo algumas de suas áreas principais, entretanto, o Reino de Deus deve ter uma definição de acordo com a realidade concreta.
O autor analise o tema partindo do século XVI até o XIX, no qual o Reino de Deus passará a ser entendido dentro de uma realidade mais próxima do sujeito e da sociedade em geral. O quinto artigo tem por título “A missão da igreja e a ideologia do sucesso: uma análise das engrenagens tecnicistas para o crescimento da igreja” e foi escrito pela mestra Clarice Ebert. O artigo tem como objetivo analisar algumas fórmulas que se configuram em engrenagens tecnicistas para o crescimento da igreja, mostrando que o crescimento numérico
nem sempre ocorre na mesma proporção que o crescimento espiritual da igreja ao desempenhar a sua missão.
Arnon Batista e o mestre Carlos Alberto Bezerra escrevem o artigo seguinte sobre “As cláusulas exceptivas de Mateus: uma análise da posição do desposório no contexto das principais interpretações”. O artigo revisita o debate sobre as cláusulas de exceção em Mateus (5.32; 19.9), introduzindo e apreciando criticamente as principais propostas exegéticas.
O artigo “Aconselhamento de missionários que enfrentam o choque cultural”, da mestra Bettina Siemens, trata
sobre o tema, apresentando propostas claras e objetivas para a atividade missionária. O oitavo artigo foi escrito pelo mestre Clayton Lima de Souza e tem por tema “Uma breve análise da teologia de Jürgen Moltmann: da teologia da esperança ao universalismo”.
O artigo verifica, através da pesquisa bibliográfica, nas obras do referido autor, especialmente na “Teologia da Esperança” e “O Deus Crucificado”, as suas principais contribuições para o pensamento teológico contemporâneo, principalmente na escatologia e na cristologia. O artigo seguinte foi escrito pelo doutor Claiton André Kunz e tem por título “A pergunta pelo ‘ser’ e o conceito de ‘logos’ em Heidegger”. A pergunta pelo “ser”, ou o que é “ente”, é uma das mais antigas questões que perpassa toda a história da humanidade, especialmente da filosofia grega antiga. Como a pergunta pela ontologia fundamental foi preterida em algum
momento da História, Martin Heidegger, um dos mais influentes filósofos do século XX, recolocou-a em seu devido lugar. O ensaio é uma tentativa de revisitar esta preocupação de Heidegger. O último artigo tem por título “Pluralidade e diversidade no ofício pastoral” e foi escrito pelo doutor João Pedro Gonçalves
Araújo. O artigo examina os principais termos usados no Novo Testamento grego e seus usos nas igrejas do primeiro século para o exercício do pastoreio. O exercício funciona como um convite à reflexão para um modelo centralizado e centralizador da liderança atual.
Finalizando a edição da revista, o mestre Anderson Carlos Guimarães Cavalcanti contribui com uma resenha de obra literária lançada recentemente. Desejamos a todos uma ótima leitura, esperando que a revista possa contribuir para o debate teológico e prático.

Publicado: 2020-04-17

Apresentação