PODE UM CRISTÃO TER DISCÍPULOS?

uma breve investigação sobre os limites da imitação do método discipular de jesus nos dias atuais

  • Diogo da Cunha Carvalho
Palavras-chave: Fazer discípulos, Discipulado, Grande Comissão, Plano Mestre de Evangelismo

Resumo

Ao passo que cresce o interesse no campo missiológico pelo significado teórico e prático do ato de fazer discípulos (Mt 28.19), surgem também iniciativas de discipulado que, sob a justificativa de reproduzirem o modelo discipular de Jesus, acabam promovendo relações de poder entre o discipulador e o discípulo. Tais modelos têm enfrentado questionamentos, em especial quanto à possibilidade de um cristão colocar-se na posição de ser mestre e ter discípulos. Contudo, até que ponto as distorções existentes invalidam as propostas de reprodução do discipulado de Jesus, a exemplo daquela formulada por Robert Coleman em Plano mestre de evangelismo (1963)? De que forma e sob que limites um discípulo de Jesus poderia, ainda hoje, fazer e ter um discípulo? O presente artigo busca investigar, na literatura dos primórdios, se os apóstolos tiveram discípulos, como isso se deu e por que desapareceu. Ao fim, propõe uma leitura conciliadora do fazer e ter discípulos, obedecidos certos limites cristológicos e históricos.

 

Biografia do Autor

Diogo da Cunha Carvalho

O autor é Gerente de Evangelismo da Junta de Missões Nacionais da Convenção Batista Brasileira e Professor de Missiologia do Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil /Faculdade Batista do Rio de Janeiro. É Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito de Campos e em Teologia pela Faculdade Batista do Rio de Janeiro. Também Pós-Graduado em Direito Imobiliário e em Docência do Ensino Superior pela EMERJ-Universidade Estácio de Sá e Pós-Graduado em Direito Público pela Universidade Estácio de Sá. É Mestre em Estudos Teológicos com ênfase em Missiologia pelo Southeastern Baptist Theological Seminary (EUA) e Doutorando em Teologia na PUC-Rio. E-mail: diogo@missoesnacionais. org.br. O presente trabalho foi realizado com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Brasil (CAPES) – Código de Financiamento 001.

Referências

ARAÚJO, João Pedro Gonçalves. Discipulado: autarquia, anarquia, ditadura – uma análise. Via teológica, Curitiba, v. 19, n. 37, jun/2018, p. 286-303. BARTH, Karl. Chamado ao discipulado. São Paulo: Fonte Editorial, 2006.
BONHOEFFER, Dietrich. Discipulado. 11.ed. São Leopoldo: Sinodal, 2004. BOSCH, David J. Missão transformadora: mudanças de paradigma na teologia da missão. 3.ed. São Leopoldo: EST/Sinodal, 2002. BRUCE, A. B. O treinamento dos doze: princípios eternos para o desenvolvimento de liderança. Rio de Janeiro: CPAD, 2015.
CAREY, William. Uma investigação sobre o dever dos cristãos. In: WINTER, Ralph D. (ed.). Perspectivas no movimento cristão mundial. São Paulo: Vida Nova, 2009. p. 291-299. 85 MOORE, 1990, p. 81.
CARVALHO, Diogo. Relacionamento discipulador: uma teologia da vida discipular. Rio de Janeiro: Junta de Missões Nacionais, 2015.
CARVALHO, Diogo. Amizade discipuladora no cristianismo dos primórdios: uma breve investigação da responsabilidade de cada cristão perante Mateus 28.19 até o fim do segundo século. Revista Batista Pioneira, Ijuí-RS, v. 7, n. 2, dez./2018, p. 375-396.
CARVALHO, Diogo. Discipulado, Perspectivas e Dimensões. Via Teológica, Curitiba, v. 20, n. 39, jun./2019, p. 89-120.
CASTELLANOS, César. O ABC da visão. Bogotá, Colômbia: G12 Editores, 2018.
COLEMAN, Robert E. They Meet the Master: A Study Manual on the Personal Evangelism of Jesus. Old Tappan, New Jersey: Fleming H. Revell Company, 1973.
COLEMAN, Robert E. The Mind of the Master. Old Tappan, 65 New Jersey: Fleming H. Revel Company, 1977.
COLEMAN, Robert E. Plano mestre de evangelismo. São Paulo: Mundo cristão, 2016.
DEVER, Mark. Discipulado: como ajudar outras pessoas a seguir Jesus. São Paulo: Vida Nova, 2016.
ELLIS, Mark. O espanto da Grande Comissão. In: Sistemática Equatorial. Faculdade Teológica Batista Equatorial, Belém-PA, n. 1, Ano 2, 2014, p. 7-25.
EUSÉBIO, Bispo de Cesareia. História eclesiástica. Tradução
Monjas Beneditinas do Mosteiro de Maria de Cristo. São Paulo: Paulus, 2000.
FLETCHER, Jesse C. Practical discipleship. Nashville, Tennessee: Broadman Press, 1980. GIBSON, Noel C. The fisherman’s basket: open air and other methods of evangelism. Australia: Freedom in Christ Ministries, 1990
GREEN, Michael. Evangelização na igreja primitiva. São Paulo: Vida Nova, 2000.
HINSON, E. Glenn; SIEPIERSKY, Paulo. Vozes do cristianismo primitivo. São Paulo: SEPAL, 2014.
HUBER, Abe. Discipulado um a um: crescimento com qualidade. 2.ed. Fortaleza: Premius, 2012.
IRINEU DE LIÃO. Contra as heresias. Introdução, notas e comentários Helcion Ribeiro: organização das notas bíblicas Roque Frangiotti. Tradução Lourenço Costa. São Paulo: Paulus, 1995.
IRINEU DE LIÃO. Demonstração da pregação apostólica. Traduzido por Ari Luis do Vale Ribeiro. São Paulo: Paulus, 2014.
JAEGER, Werner. Cristianismo primitivo e Paideia grega. Tradução Daniel da Costa. Santo André: Academia Cristã, 2014. MARTINS, Yago. Faça discípulos ou morra tentando: o significado, a extensão e o selo do discipulado. Niteroi: Concílio, 2017.
MCDANIEL, Geo W. As igrejas do Novo Testamento. 4.ed. Rio de Janeiro: JUERP, 1982.
MOLTMANN, J. O Deus crucificado: a cruz de Cristo como base e crítica da teologia cristã. São Paulo: Academia Cristã, 2014.
MOORE, Waylon. Integração segundo o Novo Testamento: como conservar, desenvolver e multiplicar os convertidos. 5.ed. Rio de Janeiro: JUERP, 1985.
MOORE, Waylon. Multiplicando discípulos: o método neo-testamentário para o crescimento da igreja. 3.ed. Rio de Janeiro: JUERP, 1990.
PADRES APOLOGISTAS. Introdução e notas explicativas Roque Frangiotti. Tradução Ivo Storniolo, Euclides M. Balancin. São Paulo: Paulus, 1995.
PADRES APOSTÓLICOS. Introdução e notas explicativas Roque Frangiotti. Tradução Ivo Storniolo, Euclides M. Balancin. São Paulo: Paulus, 1991.
PHILLIPS, Keith. A formação de um discípulo. 2.ed. rev. e atual. São Paulo: Vida, 2008.
SMITH, Oswald. Paixão pelas almas. 2.ed. São Paulo: Vida, 2009.
STOTT, John. Base bíblica da evangelização. In: A missão da igreja no mundo de hoje: as palestras principais do Congresso Internacional de Evangelização realizado em Lausanne, Suíça. 2.ed. São Paulo: ABU e Visão Mundial, p.33-53. STOTT, John. A missão cristã no mundo moderno. Viçosa: 67 Ultimato, 2010.
STOTT, John. O discípulo radical. Viçosa: Ultimato, 2011.
THEISSEN, Gerd. Sociologia do Movimento de Jesus. 2.ed. São Leopoldo: Sinodal, 1997.
Publicado
2020-04-17
Como Citar
da Cunha Carvalho, D. (2020). PODE UM CRISTÃO TER DISCÍPULOS? . VIA TEOLÓGICA, 20(40), 37-67. Recuperado de http://periodicos.fabapar.com.br/index.php/vt/article/view/145
Seção
Artigos