O Uso do Antigo Testamento no Novo Testamento

Entendendo o Significado do “Descanso” em Hebreus

  • Carlos Alberto Bezerra
  • Érica Guedes Rebouças
Palavras-chave: Descanso, Hebreus, Referente

Resumo

A partir da importância hermenêutica e não consensual do fenômeno da intertextualidade bíblica, o objetivo do trabalho foi aplicar o método eclético interpretativo “Único Significado, Múltiplos Contextos e Referentes” (sugerido
por Darrell L. Bock) na passagem de Hebreus 3.7 – 4.11, discutindo sua validade no significado e referente do termo central “descanso”, repetido pelo menos 8 vezes na perícope. As referências que o autor da epístola aos Hebreus
faz do AT foram divididas em dois momentos, levando em consideração a centralidade mencionada: o descanso na criação e o descanso na terra prometida. Já no NT, a ênfase foi explicar como esses dois momentos foram usados para
explicar o descanso de Deus.

Biografia do Autor

Carlos Alberto Bezerra

Mestrado em Teologia pelas Faculdades Batista do Paraná (FABAPAR). Professor da graduação e pós-graduação em Teologia na Faculdade Batista do Cariri.

Érica Guedes Rebouças

Especialização em Teologia Bíblica pela Faculdade Batista do Cariri.

Referências

BEALE, G. K. Manual do uso do Antigo Testamento no Novo Testamento: exegese e interpretação. Tradução de A. G. Mendes. São Paulo: Vida Nova, 2014.

BEALE, G. K.; CARSON, D. A. Comentário do uso do Antigo Testamento no Novo Testamento. Tradução de C. E. S. Lopes, F. Medeiros, R. Malkomes e V. Kroker. São Paulo: Vida Nova, 2014.

BOCK, D. L. Part 2 Evangelicals and the Use of the Old Testament in the New. Bibliotheca Sacra. BSAC 142:568 (oct 1985): p. 306-316.

CARSON, D. A. Do Shabbath para o Dia do Senhor. Tradução de Susana Klassen. São Paulo: Cultura Cristã, 2006.

CHAFER, S. L. Teologia Sistemática. Tradução de Heber Carlos de Campos. São Paulo: Hagnos, 2003.

CONCORDÂNCIA Fiel do Novo Testamento. São Paulo: Fiel, 1994.

RICKSON, M. J. Teologia Sistemática. Tradução de Robinson Malkones, Valdemar Kroker, Tiago Abdalla Teixeira Neto. São Paulo: Vida Nova, 2015.

GUTHRIE, D. Hebreus: introdução e comentário. Tradução de Gordon Chown. São Paulo: Mundo Cristão, 1983.

KIDNER, D. Gênesis: introdução e comentário. Tradução de Odayr Olivetti. São Paulo: Vida Nova, 1979.

KISTEMAKER, S. Comentário do Novo Testamento: Hebreus. Tradução de Marcelo Tolentino. São Paulo: Cultura Cristã, 2003.

KOCH, I. G. V.; BENTES, A. C.; CAVALCANTE, M. M. Intertextualidade: Diálogos Possíveis. 3.ed. São Paulo: Cortez, 2012.

LUNDE, J.; BERDING, K. Three Views on the New Testament Use of the Old Testament. Grand Rapids, Michigan: Zondervan, 2008.

MOO, D. J. The Problem of Sensus Plenior, em Hermeneutics, Authority, and Canon. Editores: D. A. Carson and John D. Woodbridge. Grand Rapids: Zondervan, 1986, p. 179-211.

PINTO, C. O. C. Foco & Desenvolvimento no Novo Testamento. 2.ed. São Paulo: Hagnos, 2014.

SILVA, V. V. A intertextualidade em Hebreus 4. COLLOQUIUM, Crato - CE, volume I, n.1, p. 5-19, 2016.

WALTKE, B. K. Comentários do Antigo Testamento: Gênesis. Tradução de Valter Graciano Martins. São Paulo: Cultura Cristã, 2010.
Publicado
2019-09-20
Como Citar
Bezerra, C. A., & Guedes Rebouças, Érica. (2019). O Uso do Antigo Testamento no Novo Testamento. VIA TEOLÓGICA, 20(39), 247-279. Recuperado de http://periodicos.fabapar.com.br/index.php/vt/article/view/122
Seção
Artigos